Feliz Natal
©GabboT

“Batem leve, levemente, como quem chama por mim.
Será chuva? Será Gente? Gente não é, certamente e a chuva não bate assim.”

Augusto Gil

Quem não se lembra deste delicioso e aconchegante poema e que todos dias ganha novos conteúdos, outros contextos e distintos interpretes?

Mas hoje, já não batem leve, nem levemente, mas de forma poderosa e muito devastadora. Se formos ver… já não apenas cai a neve, mas tudo à nossa volta está a ruir, a desconstruir-se, qual fénix…

O rugido raivoso do Cumbre Vieja, o choro das crianças angustiadas nas fronteiras da Europa, a fome e o tráfego em África, a droga nas Américas, a luta pela hegemonia económica global… e o mais que a nossa vista alcança e os olhos vêm são dessa nova realidade testemunhos.

Urge dizer:

  • É tempo de abrir as portas aos Franciscos da renovação e da generosidade
  • É tempo de dar caminho às Teresas tecendo a solidariedade
  • É tempo de ouvir os pensadores da verdade e da tolerância
  • É tempo de sentir a pureza do vento, do sol, do mar
  • É tempo de abraçar a natureza Mãe … sarando-a.
  • Pois, é tempo e não temos mais tempo!
José Carlos Ferreira
José Carlos Ferreira, presidente da Direcção