Encontro Nacional de La Salle em Barcelos
David Macedo (texto), João Oliveira (fotos)

“Um coração, um compromisso, uma vida”

No dia 25 de maio, a Associação de Antigos alunos de La Salle (AAAdelaSalle) realizou o Encontro anual dos ex-alunos de la Salle de Portugal. Imbuídos pelo espírito da efeméride que este ano celebra os 300 anos de vida da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs, sentiram o palpitar de “um coração” vivo; o chamamento a “um compromisso”: educar os jovens para “uma vida” santificadora.

“Um dia marcante para nós, antigos alunos. A adesão foi muito positiva, o tempo ajudou e tudo correu como planeado. O ano Jubilar não podia passar despercebido, penso que celebramos com pompa e dignidade o tricentenário da obra de La Salle no mundo, concretamente em Portugal”, disse, em forma de balanço, o presidente da Associação, José Carlos Ferreira.

O dia estava convidativo e graças a um trabalho persistente da direção, os ex-alunos compareceram à chamada, aproximadamente uma centena. A chegada ao colégio La Salle deu-se por volta das dez horas da manhã, uns de mais longe outros de mais perto agrupam-se junto à estátua do fundador e dá-se aquele momento gostoso do reencontro. Num lugar mais recatado está a Virgínia, tesoureira da Associação, que faz a receção mais formal. E foi emocionante ver rostos que já há muito não apareciam, cumprimentos efusivos, um pouco de cusquice pelo meio e a hora da Assembleia chegou rápida. Lida a ata pelo António Oliveira, e aprovada por unanimidade, passou-se aos pontos agendados e pacificamente quase tudo foi aprovado por unanimidade. “É preciso associar-se, pagar as cotas e comprometer-se” – relembra o Presidente da Assembleia, Carlos Borrego. O Irmão Joaquim, elo de ligação entre a Associação e os Irmãos, apela à generosidade tendo em vista a Bolsa de Estudos para os novos alunos do colégio. Encerrada a Assembleia, os antigos alunos dirigirem-se novamente à estátua do fundador onde foi descerrada pelo Ir. Óscar Lerones, diretor da comunidade, uma lápide que para além de relembrar a efeméride dos 300 anos da obra lassalista no mundo, também destaca, em forma de agradecimento, o carinho, a instrução, os valores que cada aluno recebeu durante a sua estada no colégio.

 

Como o programa previa a mudança de palco por volta das 13h30, era preciso almoçar de forma célere. A feijoada foi servida e regada com o licor que cada um trouxe, comida a sobremesa, sem direito a café, programado o GPS, todos se dirigiram para o novo palco: Santa Marta do Bouro, Amares.

Eucaristia presidida pelo Senhor Arcebispo de Braga

“É nossa Missão: educar a juventude”

Na igreja de Bouro (Santa Marta), às quinze horas teve início a celebração de uma eucaristia solene de ação de graças pelos trezentos anos da obra iniciada por S. João Batista de La Salle, na qual foi destacada a figura do Ir. Mário Félix, primeiro Irmão mártir português, um filho ilustre de Bouro – Santa Marta. Eucaristia presidida pelo Sr Arcebispo de Braga e Primaz das Espanhas, D. Jorge Ortiga e concelebrada pelo Pároco local P.e Neiva, pelo P.e Daniel que se está a preparar para abrir uma Missão em Timor, Pelo Frei António (Dominicano) e pelo ex-aluno Frei Lima (Franciscano).

D. Jorge Ortiga enalteceu a Congregação pelo trabalho realizado ao longo de um passado glorioso de trezentos anos; pelo trabalho que continua hoje a realizar através dos Irmãos e colaboradores nos cinco continentes, destacando a ação educativa que se realiza em Braga e em Barcelos. Acabou por convidar a todos, seguindo o exemplo do mártir Mário Félix e de S. João Batista de La Salle, a abraçar a nobre Missão de continuar a educar os jovens no futuro. Marcaram presença na eucaristia, para além dos antigos alunos, Irmãos, professores, representantes da Associação de Pais do Colégio La Salle, outras entidades representativas de várias Instituições de Barcelos e de Amares, assim como o Presidente da Assembleia da Câmara de Amares, João Barros, e dos Presidentes da Junta de Santa Marta de Bouro, Carlos Portela, e de Barcelinhos, José Rui Peixoto.

 

 

Em Ano Jubilar – Mário Félix foi recordado

A Associação dos antigos alunos organizou uma eucaristia, presidida pelo Arcebispo de Braga, na terra que viu nascer este mártir lassalista, para recordá-lo e pedir, pela sua interceção, a graça deste Ano Jubilar.
Manuel José de Sousa nasceu em Santa Marta de Bouro a 27 de dezembro de 1860. Fuzilado em Griñon a 28 de Julho de 1936 após 48 anos de vida religiosa, na qual assumiu o nome de Ir. Mário Félix. Tornou-se um dos 522 mártires da guerra civil espanhola que decorreu entre 1936-1939. Em criança emigrou para o Brasil, trabalhou na empresa do tio, teve contato com os Jesuítas, mas em 14 de Junho de 1888 aos 28 anos de idade entrou no Instituto de La Salle, tendo passado por várias escolas até fixar-se me Griñon, localidade que fica a 40 quilómetros de Madrid.

Solar das Bouças – último palco do Encontro

A belíssima quinta “Solar das Bouças”, propriedade de um ex-lassalista, António Ressurreição, situada na margem esquerda do Rio Cávado, (Prozelo-Amares), a 11 quilómetros de Braga, abriu as portas aos antigos alunos e restantes convidados. Ali, entre vinhedos, foi servido um lanche pela Escola Profissional “Amar Terra Verde” (EPATV). Os formandos bem orientados por Olga Martins e António Igreja, prestaram um bom serviço. Os vinhos brancos provenientes das castas alvarinho e o loureiro, oferecidos pelo proprietário, refrescaram com maestria as gargantas sequiosas. Depois de um certo stresse provocado pelas mudanças de lugar, pelos muitos quilómetros de estrada, subjugados a um tempo impiedoso, os ex-alunos encontraram no Solar das Bouças a paz, o sossego, o ambiente natural para descontraírem e ideal para se despedirem.

Papa Francisco reconhece a obra educativa de la Salle

O Papa Francisco reconhece o compromisso e a vocação educativa da comunidade lassalista e a sua importância para a sociedade.
No dia 16 de maio o Papa ressaltou a missão e o papel de S. João Batista de La Salle como educador, assim como o primeiro a desconstruir os modelos de educação tradicionais da sua época. “Ele foi um brilhante e criativo inovador na visão da escola, na conceção do professor, nos métodos de ensino”. Ele, segundo o Papa, converteu a educação em tema forte e essencial para a democratização, porque “a sua visão de escola levou-o a defender que a educação é um direito de todos, incluso dos pobres”.
Segundo o Ir. Nicólas Capelle, um dos pilares do marco formativo lassalista é promover o desenvolvimento da pessoa e da comunidade. Para isso, é premente observar bem as realidades concretas que vivem os jovens, “é a observação que nos leva à ação porque não somos ideólogos da educação, mas sim pragmáticos dela”. Destaca por fim a importância de uma atuação em rede: “ a Obra de La Salle está presente em 79 países com mais de mil instituições educativas que inclui 75 universidades e 300 centros especializados; com a presença de 4.000 Irmãos e uns 90.000 educadores laicos que servem mais de um milhão de jovens e estudantes.

Close Menu